Diversificação de Investimentos: redução de risco sem perda de rentabilidade

A queda da SELIC e o viés de inércia do investidor no Brasil
abril 25, 2018
A política de preços da Petrobras e as paralisações
maio 30, 2018

Diversificação de Investimentos: redução de risco sem perda de rentabilidade

Já diz a máxima que não devemos colocar todos os ovos em uma única cesta. Investidores profissionais e mesmo aqueles que estão nos seus primeiros passos no mercado financeiro sabem que é essencial diversificar os investimentos. O resultado da diversificação é simples: possibilitar a obtenção de rendimentos com menores riscos do que seria possível ao se investir em apenas uma opção de investimento. O conceito de risco em finanças é definido como a incerteza sobre a concretização de determinado rendimento.

Tome como exemplo duas alternativas de investimento. Ação da empresa A e empresa B. Ambas opções são representadas na tabela a seguir. Junto a tabela informa que existem dois cenários possíveis: 1 ou 2, cada um com probabilidade de 50% de acontecer. Além disso, sabemos que no Cenário 1 a empresa A rende 15% e empresa B 5%. No Cenário 2 ocorre o oposto, a empresa A rende 5% e B 15%.

A expectativa de retorno das duas empresas é igual a 10% e é obtida pela medida dos retornos ponderada pela probabilidade de cada cenário. Por exemplo, para empresa A:

Além disso, é possível notar que empresas podem apresentar mesmo grau de risco, uma vez que apresentam mesma magnitude de incerteza sobre seus rendimentos.

No entanto, uma análise mais cuidadosa das alternativas de investimento permite obter um mesmo nível de rendimento esperado, porém anulando a incerteza individual de cada alternativa. Trata-se de rendimento obtido após a diversificação de investimentos entre as duas alternativas.

Observe o resultado obtido se, ao invés de se investir em apenas um dos ativos, os recursos sejam distribuídos igualmente entre eles, ou seja, 50% na empresa A e 50% na B. Com isso, podemos atualizar a tabela e obtemos o seguinte resultado.

Note que, agora, a incerteza sobre o rendimento obtido foi eliminada, para este conjunto de cenários. O retorno será de 10% independentemente do cenário observado. Além disso, esse efeito sobre a incerteza foi obtido sem prejudicar em nada a expectativa de retorno observada para cada ativo individualmente.

Apesar de o exemplo acima ser apenas ilustrativo, ele reflete o que ocorre no mundo real. O efeito de queda da incerteza no investimento diversificado é um resultado de se explorar a correlação observada entre os preços dos ativos das empresas. Correlação é uma medida da relação entre o comportamento de diferentes variáveis. No exemplo, quando uma empresa tem rendimento maior, a outra tem rendimento menor, ou seja, seus retornos seguem comportamentos inversos; ou seja, quando o preço de uma ação sobe, pode-se esperar a queda do preço da outra. Com isso, ao investirmos nas duas simultaneamente suavizamos essa incerteza, pois o que ganharmos com uma será parcialmente compensado pela perda na outra.

Por exemplo, em tempos de crise, os investidores tendem a comprar ouro para se proteger das oscilações do mercado acionário. Com isso, ao mesmo tempo em que observamos quedas nos rendimentos das ações, ocorre aumento no preço do ouro, devido à maior procura por esse bem. Por outro lado, em tempos de bonança, cai a procura por ouro e eleva-se as compras de ações. Trata-se, portanto, de uma espécie de colchão amortecedor.

Dessa forma, um investidor interessado em se proteger de tais oscilações pode optar por distribuir seus recursos entre esses ativos. A pergunta seguinte seria: como distribuir os ativos?

Bom para isso é necessário estimar o grau de correlação entre os investimentos e então obter a proporção que proporcione o maior retorno dado o nível de risco tolerado pelo investidor. Há diversas formas de se calcular uma alocação ótima de carteira.

No geral as técnicas consistem em observar como as empresas se comportaram no passado e supor que comportamentos semelhantes tendem a ocorrer no futuro. Com isso é possível elaborar análises semelhantes as ilustradas no exemplo acima. O mais importante é ter em mente que a sabedoria popular também vale para as finanças: distribua seus ovos entre suas cestas!

//]]>